“A indicação não garante a permanência do profissional na empresa”, afirma Ariel da Silva, diretor de desenvolvimento da ABRH-PR

“A indicação não garante a permanência do profissional na empresa”, afirma Ariel da Silva, diretor de desenvolvimento da ABRH-PR

Em um mercado de trabalho de alta competitividade, ter uma boa rede de contatos é essencial. Independente da área, as redes de relacionamentos são utilizadas com frequência para recomendar profissionais à novas vagas de trabalho ou mesmo em processos de promoção interno. Essas indicações podem ser motivadas por condições pessoais ou profissionais, sendo comuns em qualquer período da carreira.

 

O diretor de desenvolvimento da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Paraná (ABRH-PR), Ariel da Silva, esclarece que o networking, por mais que aproxime o profissional, não garante a permanência na empresa. “A indicação apenas abre a porta, põe a pessoa lá dentro”, afirma. Ele explica que essa prática é uma ferramenta poderosa no mercado, já que fortalece vínculos e pode ajudar na consolidação de profissionais com boas referências na área.

 

A performance do indicado também é um fator importante nessas situações, já que impacta diretamente na reputação de todos os envolvidos. Para o diretor, quando se consegue um emprego através de uma rede de relacionamentos ou indicações, o cuidado em fazer um bom trabalho deve ser dobrado. “Às vezes, a indicação não é nem pedida, mas oferecida”, comenta. Por isso, é essencial manter um bom relacionamento em empregos anteriores.

 

Para evitar situações indesejadas, essas recomendações devem ser justas com as competências técnicas do profissional em questão. “Honrar a indicação é muito importante. Quem indica e quem é indicado deve ter essa preocupação, já que a responsabilidade de ambos é grande”, conclui.