“Tudo o que você precisa é amor. Se você está em um time de liderança, precisa de mais amor ainda”, Richard Barrett

Cerca de 400 pessoas prestigiaram a palestra “Cultura Organizacional de alto desempenho” do fundador e presidente do Conselho Barrett Value Centre, Richard Barrett que aconteceu na manhã desta sexta-feira (08/11) no Hotel Bourbon, em Curitiba. O evento, uma iniciativa da ABRH-PR, teve a abertura feita pelo presidente da Associação, Adeildo Nascimento. Ele agradeceu aos parceiros e patrocinadores do evento, além da diretoria da ABRH-PR. “Um dos nossos objetivos é expandir o que ocorre em Curitiba em todo o Paraná, estamos trabalhando forte para isso”, falou.

 

Nascimento ainda mencionou da importância da gratidão nesses momentos de confraternização, “externar a gratidão é o que todo o ser humano tem que fazer, vivemos a era da colaboração e um evento desse envolve todo o nosso ecossistema”. A ABRH-PR está se preparando para se tornar um market place para atingir todo o Estado, “uma transformação grande está ocorrendo”, disse. Mencionou o XVI CONPARH, que acontecerá nos dias 19 e 20 de outubro do próximo ano.

 

Ao som de All need is love, dos Beatles, música que fala da principal mensagem que Barrett quis passar ao público: tudo o que precisamos é amor. Iniciou a apresentação se apresentando, falando a respeito da sua trajetória e, especialmente, do seu livro “A organização dirigida por valores”. Logo fez uma interação com os presentes aos fazê-los questionar What are values? (O que são valores?), trazendo uma reflexão sobre os valores pessoais. “Vocês acham que é importante trazer os valores ao trabalho, vocês conseguem trazê-los consigo?”, questionou.

 

O que são valores?

Segundo Barrett os valores são os propulsores energéticos das nossas aspirações e intenções. São importantes porque as decisões que tomamos são baseadas em nossos valores, nos ajudam a atender nossas necessidades. “São expressões das nossas necessidades, aquilo que você precisa, é algo que você valoriza”.

 

Para exemplificar, ele mostrou os Sete Níveis de Consciência organizacional do teste de “Avaliação de Valores Pessoais”, elaborado pelo Barret Values Centre e fez uma interação com a plateia apresentando os temas. Segundo o autor, valores, crenças e comportamentos são aquilo que formam a cultura das organizações. Definem a maneira como um grupo de pessoas trabalha junto. Mas, quem cria a cultura? “Os líderes”, respondeu.

 

E então emendou outra pergunta: se você quiser mudar a cultura, o que tem que fazer? “Os líderes precisam mudar ou vocês precisam mudar os líderes”, disse. Na sequência, apresentou alguns dados de pesquisas, como a da Deloitte que mostrou que a cultura se tornou um dos temas mais importantes de uma organização, sendo que 82% dos respondentes acreditam que cultura é uma vantagem competitiva. Um estudo da PWC mostra que 84% dos líderes acreditam que a cultura é fundamental para o sucesso das organizações e 60% acredita que a cultura é mais importante que a estratégia.

 

O que você precisa, é aquilo que valoriza

Barrett explicou que quando a empresa ajuda os colaboradores a crescerem, eles se engajam. “Este é o segredo. Colaboradores altamente engajados se identificam com a empresa, cuidam de forma apaixonada, trazem paixão e propósito, estão dispostos a investir, desejam que a empresa faça a coisa certa, querem sentir orgulho, se compromete e são fiéis”, afirmou.

 

Por que as organizações que focam no desenvolvimento têm mais sucesso? Porque se preocupam com as necessidades dos seus colaboradores, “nós entendemos a sua necessidade e o que você precisa é aquilo que você valoriza. Quando você se preocupa com as necessidades das pessoas, elas vão se engajar”, disse. Se a organização vai criar uma cultura para as pessoas, é preciso medir quais são as necessidades. Isto é possível por meio de uma pesquisa com os colaboradores, para exemplificar, o autor mostrou exemplos com base no Placement of values by level.

 

O que é entropia cultural?

Barrett explicou que a entropia cultural é a quantidade de energia gasta dentro de uma organização fazendo coisas desnecessárias e improdutivas. Com isso, tem-se a mensuração dos conflitos e frustações sentidas pelos colaboradores, “existe uma ligação entre entropia cultural e engajamento”. Segundo ele, o engajamento alto é resultado de uma entropia baixa e vice-versa, engajamento baixo significa entropia alta.

 

Barrett explicou que a transformação tem que ser voltada para criar uma cultura que aborde a necessidade dos colaboradores. Organizações não se transformam, são as pessoas. “A transformação organizacional começa com a transformação pessoal dos líderes”. Não é possível ter uma organização de alto desempenho com muita entropia cultural, “e ela é uma função dos líderes, eles devem deixar claro o sistema de valores da organização e inspirar vida dentro desses valores”. É preciso melhorar a liderança e focar nas pessoas. Barrett defende que a única forma dos líderes mudarem é recebendo feedback a respeito dos seus comportamentos.

 

Por fim, Barrett disse que a cultura não é uma questão apenas das empresas, mas de uma nação. “É preciso criar uma cultura nacional que atenda às necessidades dos cidadãos e o desenvolvimento de pessoas é uma questão grande no Brasil”. Para finalizar, ele respondeu perguntas do público e interagiu com os presentes.

 

Texto: Básica Comunicações

Fotos: Felipe de Souza



2 Comentários

  • Estive no evento com a grande Lenda do desenvolvimento humano, Richard Barret. Parabéns a nossa ABRH PR pela escolha do tema e do palestrante. Adorei também a matéria veiculada no site sobre o evento.

  • LUIS Miguel dos Santos

    parabéns, pela palestra que sita um dos grandes mentores desenvolvimento do ser humano. uma grande expedição que nos espira revolução de gestão de pessoas.

Deixe uma resposta