XV CONPARH reafirmou seu compromisso na área de recursos humanos

XV CONPARH reafirmou seu compromisso na área de recursos humanos

Maior congresso de gestão de pessoas do Paraná

mobilizou profissionais de todo o estado

 

O XV Congresso Paranaense de Recursos Humanos (CONPARH) teve como temática principal “Em busca de novos horizontes”. Maior evento do setor no Paraná, a edição de 2018 aconteceu na Fiep, em Curitiba, e contou com cerca de 540 participantes, nove patrocinadores principais, além de oito stands durante os dois dias (24/05 e 25/09) de congresso. A próxima edição do evento acontecerá em 2020.

 

No primeiro dia, a recepção ficou a cargo do diretor geral do XV CONPARH, Rodrigo Titon, que destacou os novos desafios enfrentados pelos profissionais de recursos humanos. Após a fala de Titon, a presidente da ABRH-PR, Susane Zanetti, realizou a abertura oficial do evento. Susane agradeceu a presença dos presentes e ressaltou as conquistas recentes da instituição. De forma complementar, a vice-presidente da ABRH Brasil, Daviane Chemin, deu seguimento à cerimônia, encorajando o crescimento coletivo. “Mergulhemos fundo neste Congresso para sermos vistos como aquelas gerações que se tornaram as lideranças que fizeram a diferença”, enfatizou.

 

Na conferência magna do XV CONPARH, o filósofo e escritor Luiz Felipe Pondé traçou paralelos entre os novos paradigmas que devem ser enfrentados pelos gestores de pessoas e as mudanças no mercado de trabalho. Na palestra, Pondé afirmou que as redes sociais provocaram o surgimento de um novo perfil de pessoa. “Quando se lida com seres humanos, por mais que tenhamos que fazer com que eles estejam comprometidos com o processo, uma das formas de se fazer isso é encorajá-las a pensar e criar junto”, assegurou.

 

No período da tarde, foi a vez do consultor Adeildo Nascimento com a palestra “HR Trends – Novo mundo, Novo RH”. O consultor explicou que vivemos um momento de transição entre a economia industrial e a economia cognitiva, em que habilidades como humildade e colaboração (“soft skills”) merecem atenção na gestão de pessoas, a fim de capitanear novos direcionamentos. “Nós em RH estamos sofrendo uma disrupção. O mundo está mudando. Ou o RH é protagonista ou deixará de existir”, complementou.

 

O painel “Liderança Feminina – A realidade do século 21” contou com a presença da mediadora Dulcinéia Novaes e das participantes Patrícia Ghisleini (da rede Bourbon); Ana Paula Camargo, especialista em comunicação e recursos humanos; e Adriana Karam, gestora em educação. Elas compartilharam suas experiências profissionais e os desafios enfrentados nas trajetórias pessoais. “Temos que ser conscientes de que não vamos conseguir controlar todos os acontecimentos, mas podemos escolher como vamos nos posicionar em relação a cada um deles”, afirmou Patrícia. Já Ana Paula destacou a força de vontade da mulher nas instituições. “Tem muito espaço para nós mulheres, mostrem seu valor dentro das companhias”, declarou. Durante a conversa, Adriana lembrou das dificuldades que enfrentou para alcançar seus objetivos. “Precisei encarar os desafios de aprender e executar”, disse, destacando que as mulheres devem liderar buscando o equilíbrio, sem perder sua identidade.

 

Durante o congresso, o multi-artista Marcelo Bittencourt teve parte do seu trabalho exposto.  Bittencourt possui vasta experiência na área das artes plásticas e teve quatro dos seus quadros leiloados no congresso, incluindo um exemplar adquirido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH). A arrecadação das quatro obras foi destinada à Instituição Pequeno Cotolengo.

 

O segundo dia do XV CONPARH também reservou muitas reflexões. Um dos debates da manhã discutiu as perspectivas políticas e econômicas do Brasil. O painel teve a participação do jornalista Carlos Alberto Sardenberg, da rádio CBN e do cientista político Carlos Melo. O encontro foi mediado pela jornalista da Globonews, Natuza Nery. Na ocasião, Sardenberg comentou que o déficit do país cresce a cada ano, dificultando a estabilidade econômica. “Primeiro, precisamos de uma grande reforma da previdência. E a reforma no setor público terá que ser de grandes proporções”, declarou. Para o cientista político Melo, o mundo está correndo para o passado. “Olhar para o futuro é recuperar o presente. Temos que reinventar o mundo para construirmos o futuro”, concluiu.

 

Com a frase “acredito que todos somos líderes” o diretor de Gente e Gestão da Klabin, Sérgio Piza, iniciou a sua palestra sobre “O enigma da liderança”. No encontro, Piza destacou que o profissional de RH é o maior responsável por motivar e treinar sua equipe. O gestor reiterou ainda que um líder deve saber escutar as pessoas. “Se ouvir sem julgar, a pessoa falará e crescerá em suas ideias”, destacou. Em outro momento do painel, Piza explicou que se a empresa quer ter resultados diferentes, a solução é simples: “ela tem que pensar diferente”.

 

O desembargador Sérgio Murilo Rodrigues Lemos, do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, foi o responsável por encerrar o ciclo de palestras do XV CONPARH. Lemos abordou as mudanças na reforma trabalhista e seu impacto no cotidiano dos gestores. O desembargador afirmou que além de impor novos desafios, a reforma demandará uma maior responsabilidade do profissional de RH, exigindo uma participação mais ativa para a melhoria da produtividade geral. Além desse aspecto, Lemos destacou também que nesse cenário é função do gestor de pessoas alinhar as políticas de RH às estratégias da empresa.

 

Para concluir o XV CONPARH, a presidente da ABRH-PR, Susane Zanetti, subiu ao palco e deixou, entre agradecimentos, uma síntese dos aspectos que a entidade considera importantes para os gestores de pessoas. Susane ressaltou que o RH deve ser protagonista na mudança, o agente principal do processo. “Ele é convidado a estar no campo, e não na arquibancada. Todos, em essência, temos alguma liderança. uma responsabilidade cidadã de cada um de nós”, finalizou.